Sábado, 07 de dezembro de 2019
11 98407-4416
Cidades

28/11/2019 às 12h01 - atualizada em 28/11/2019 às 12h08

Taboão da Serra / SP

Lei que facilita o apadrinhamento de crianças que moram no abrigo de Taboão da Serra é promulgada
O ato aconteceu na Câmara de Taboão da Serra

Por Elizeu Teixeira Filho, do Jornal SP Repórter

Lei que facilita o apadrinhamento de crianças que moram no abrigo de Taboão da Serra é promulgada
Foto: Karen Santiago/Click Regional

Em Taboão da Serra a Lei "Família Hospedeira" garante mais facilidade para que crianças e adolescentes que vivem em abrigo sejam apadrinhadas por pessoas que tenham dezoito anos a mais que elas. A vereadora Joice Silva que é autora da Lei afirmou a importância da conscientização das pessoas que não é só o espírito do Natal, do Ano Novo, Páscoa, "mas o espírito do amor ao próximo - do amor para aquelas pessoas que não tiveram a oportunidade de ter o amor de uma família. O apadrinhamento conecta a vida das pessoas através do amor".


O prefeito Fernando Fernandes promulgou a Lei em cerimônia realizada na Câmara de Taboão, na noite desta quarta, 27 de novembro. "Esse projeto não dá só oportunidade para as crianças que serão beneficiadas. Ele dá oportunidade para nós, para melhorarmos enquanto seres humanos. Porque a gente se sensibiliza demais por essas causas, mas via de regra, esquecemos de colocar em prática as coisas simples e boas que podemos fazer no nosso dia a dia. Pegar uma criança, dedicar um dia, ou um período dele, para poder mostrar para ela que tem pessoas que a amam e se preocupam com ela. Isso faz uma diferença muito grande", disse.


A foi reestruturada neste ano afim de facilitar sua aplicação com a parceria das promotoras de Justiça. De acordo com a edil o apadrinhamento financeiro não existia por Lei e hoje passa a ser realidade na cidade. "Falar de Família Hospedeira é falar de amor. É o dia a dia de cada criança, o momento. Depois das datas comemorativas as crianças continuam lá pedindo carinho, amor e atenção. Nós sabemos que essas crianças têm histórias de vida de abandono, muitas vezes que a mãe não tem condições de criar, quer estar com a mãe, mas ela não pode porque não tem condições financeiras. O nosso papel enquanto sociedade é contribuir e ajudar. Um final de semana que você pega uma criança e vai ao Shopping você faz a diferença na vida dela", observou.


Joice pontuou que nas datas comemorativas como Natal e Páscoa, o orfanato fica cheio de  brinquedos, ovos de chocolate, mas em algumas situações a roupa nem cabe na criança. "Porque não mudamos a mentalidade das pessoas. Vai chegar o Natal, vou apadrinhar essas crianças, mas vou dar a possibilidade dela escolher aquilo que ela quer ganhar e vestir. Dar autonomia para ela. Para quem não tem tempo, trabalha muito, pode fazer a diferença na vida dessas crianças e adolescentes, pagando um curso de informática, idiomas, ou mesmo colocar um dinheiro na conta dela porque quando ela sair do abrigo ao completar 18 anos, tenha possibilidade de pagar um aluguel, comprar sua casa, para ter caminho próprio e solo dali pra frente".


A promotora de Justiça, Maria Júlia Cury afirmou que espera que a Lei seja abraçada pela sociedade porque ela trará tanto bem aos meninos e meninas menos favorecidos e privados da convivência familiar. "O Ministério Público de Taboão sempre estará a disposição para implementação e fortalecimento de iniciativas como essa que faz da cidade um local mais humano". De acordo com ela hoje Taboão tem 33 crianças no abrigo. "Muitos que não tem nenhuma possibilidade de retorno familiar ou de colocação em família subsistituta. E são esses aqueles pelos quais estamos aqui hoje e peço ajuda. São eles que precisam de ajuda".


A secretária de Assistência Social, Arlete Silva lembrou que crianças chegam no abrigo - que é de responsabilidade do município - muito sensíveis e psicologicamente muito doente. "E precisam do carinho e apoio de toda a sociedade, por isso essa Lei vai nos ajudar muito. Algumas pessoas já me procuraram para serem padrinhos de algumas dessas crianças. Isso é muito importante. Crianças que começam a fazer as visitas e logo em seguida começam a chamar aquela Família Hospedeira de mãe e pai. Muito triste sentirem crianças abandonadas pelos seus pais como está acontecendo hoje - crianças sendo abandonadas na maternidade e já estão indo direto para o abrigo. Então é muito importante darmos aos mãos e lutarmos para que essa Lei realmente ajude essas crianças e adolescentes".

POR: Karen Santiago, jornalista do Click Regional

Por Elizeu Teixeira Filho, do Jornal SP Repórter
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook

© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados

Endereço do jornal: Rua Jundiaí, 56, bairro: Arraial Paulista, Taboão da Serra, São Paulo

Jornalista responsável: Elizeu Teixeira Filho. MTB: 50919/SP

Diretora geral: Vilma Kovacs

Site desenvolvido pela Lenium