Prefeitura de Taboão da Serra
Petróleo

Crise no setor de petróleo pode ser a pior em 100 anos, diz executivo

Em videoconferência, Petrobras avalia saídas para crise do coronavírus

26/03/2020 19h43
Por: Por Elizeu Teixeira Filho, do Jornal SP Repórter
Fonte: Vinícius Lisboa, da Ag.Br
Foto: Fernando Frazão/Ag.Br
Foto: Fernando Frazão/Ag.Br

O impacto global causado pela pandemia de coronavírus pode resultar na pior crise do setor de petróleo em 100 anos, avaliou dia 26 o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. As petrolíferas vêm sendo duplamente afetadas pelo ambiente atual de negócios, em que tanto a demanda quanto o preço do petróleo e derivados estão em queda, explicou a direção da estatal, que realizou no início desta tarde uma videoconferência com analistas e investidores para explicar respostas a esse cenário.

Em suas considerações iniciais na reunião, da qual participou por vídeo transmitido de sua casa, Castello Branco disse que sua percepção é de que se está vivendo um momento sem precedentes. "Isso é mais sério do que tivemos no passado. É talvez a pior crise sofrida pela indústria do petróleo em 100 anos. Não há fórmula para lidar com essa crise.“

Castello Branco lembrou ter vivido outros momentos difíceis, como a crise da dívida dos países da América Latina nos anos 1980 e o choque financeiro de 2008.

Apesar disso, ele defendeu o enfrentamento da situação atual sem pânico, com transparência, agilidade e trabalho em equipe. "Temos que estar preparados para o pior cenário", disse Castello Branco, ao afirmar que a demanda por combustíveis caiu significativamente no Brasil.

Sobre o mercado externo, o presidente da Petrobras previu o agravamento da crise nos Estados Unidos e disse que já há sinais de recuperação na China. "É importante, porque é o destino da maior parte de nossas exportações."

Castello Branco e diretores da Petrobras avaliaram que ainda é cedo para prever que cenários serão produzidos pela crise e disseram que as medidas anunciadas pretendem preparar a empresa para lidar com o preço do barril de petróleo a US$ 25 em vez de US$ 40.  

"A menos que aconteça algum evento inesperado, não prevemos uma recuperação significativa do preço do petróleo", afirmou Castello Branco, reforçando que o cenário é de incerteza. "Nossa resposta à crise está longe de estar completa. Estamos estudando medidas adicionais, incluindo uma revisão completa do portfólio de projetos".

Sobre o programa de desinvestimentos, o presidente da estatal garantiu que haverá continuidade. Ele admitiu, porém, que o valor dos ativos foi afetado pela crise e disse que será preciso analisar essa queda.

"Não vimos nenhum sinal de falta de interesse em nossos possíveis compradores. Pelo contrário. Ontem [25] recebi a mensagem de um deles reafirmando seu interesse no ativo", afirmou.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Taboão da Serra - SP
Atualizado às 14h01
26°
Nuvens esparsas Máxima: 27° - Mínima: 19°
27°

Sensação

7 km/h

Vento

58%

Umidade

Fonte: Climatempo
ANUNCIO LACIR BALDUSCO ANIVERSÁRIO SP REPÓRTER 20 ANOS
Anuncio Betão de aniversário do jornal
Municípios
ANUNCIO FEIJUKAS DELIVERY
Anúncio Chico Brito aniversário jornal 2020
ANUNCIO JORGE COSTA ANIVERSÁRIO JORNAL 20 ANOS
Últimas notícias
Anuncio Johnatan Noventa aniversário do Jornal SP Repóter 2020
Jovem letreiros - início: 11/10/2019
Anuncio Ronaldo Onishi aniversário do Jornal SP Repóter 2020
Mais lidas
Ricardo Vaz