domingo, 21 de julho de 2019
11 98407-4416
Cidades

11/05/2019 às 15h45

Taboão da Serra / SP

Artigo da Dra. Sueli Amoedo: Mães e o calvário da violência doméstica
A coordenadora dos Direitos da Mulher aborda a questão da violência doméstica que aflige muitas mães

Por Elizeu Teixeira Filho, do Jornal SP Repórter

Artigo da Dra. Sueli Amoedo: Mães e o calvário da violência doméstica
Dra. Sueli Amoedo é advogada e coordenadora dos Direitos da Mulher de Taboão da Serra

Maio é o mês das mães. Uma data altamente simbólica e recheada de amor, em que os filhos demonstram seus sentimentos e reconhecimento à aquelas que lhes geraram.


Presentes e flores são compradas. Almoços especiais e em lugares agradáveis. Um dia para ser lindo e feliz.


Porém algumas mães e filhos são privados de viverem esse clima, são reféns de uma violência silenciosa e fechada a quatro paredes.


A violência doméstica e familiar é uma dura realidade brasileira. Mães são mortas na presença de seus filhos, são humilhadas, desprezadas, vivendo o terror de conviverem com um homem agressor.


Onde todo e qualquer motivo caracterizam uma agressão.


O Brasil é o quinto país do mundo em número de morte de mulheres.  No Estado de São Paulo, segundo recente pesquisa, os casos envolvendo mortes de mulheres subiu 76%.


Onde deveria ser nosso local seguro é o lugar mais perigoso para a mulher:  seu lar. Os filhos infelizmente participam de tudo, ouvem tudo e sofrem junto a suas mães.


Atendi uma família fugida do ABC Paulista.


Um menino de 8 anos, determinado dia, cansado de ver sua mãe sofrendo e apanhando todos os dias, levantou-se bem cedo, pegou uma mochila e colocou dentro dela uma lata de leite, uma fralda de pano, um paninho de boca (sua irmãzinha tinha 4 meses) pegou na mão da mãe e disse: " vamos fugir", e pegaram carona. 


Quis o destino que parassem na Coordenadoria dos Direitos da Mulher de Taboão, onde foram acolhidos e posteriormente embarcados para o norte, onde tinham família.


Conversando com o pequeno garoto, perguntei o que você quer ser quando crescer, ele me respondeu: " qualquer coisa que não me lembre o meu pai".


Casos iguais a desta família do ABC Paulista, existem milhares espalhados pelo Brasil, precisando de quem as acolha e as fortaleça a tomarem decisões de romperem o ciclo da violência.


Parabéns as mamães e coragem para serem felizes longe de maus tratos.

POR: Sueli Amoedo, advogada e coordenadora dos Direitos da Mulher de Taboão da Serra

Por Elizeu Teixeira Filho, do Jornal SP Repórter
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Espaço Aberto

Espaço Aberto

Blog/coluna O Jornal SP Repórter abre espaço para especialistas abordarem os mais diversos temas importantes da atualidade ou para publicação de textos que trazem utilidade.
Facebook

© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados

Endereço do jornal: Rua Jundiaí, 56, bairro: Arraial Paulista, Taboão da Serra, São Paulo

Jornalista responsável: Elizeu Teixeira Filho. MTB: 50919/SP

Diretora geral: Vilma Kovacs

Site desenvolvido pela Lenium